Sacrifício (Parte 6/7) – Conto “Gigantes”

Antes de qualquer coisa, vamos manter duas coisas — já falei sobre o prazer de ter comprado uma palavra inteira, né? — claras aqui: primeiro quero repetir que sentir a responsabilidade pelas dores e pelos assombros que carregamos é parte do ser inteiro, do cultivo da memória e do processo maluco que eu venho defendendo... Continuar Lendo →

Anúncios

Sorte (Parte 5/7) – Conto “Gigantes”

À minha maneira, eu acredito na sorte. Coleciono cagadas a vida inteira. Isso não significa que eu não trabalhe duro. Inclusive, acredito que o trabalho duro é capaz de ganhar do talento e/ou da inteligência puros. Pelo espectro fabril e maquinal no qual fomos criados, trabalhar, trabalhar e trabalhar pode ser, sim, mais recompensador que... Continuar Lendo →

Mito (Parte 4/7) – Conto “Gigantes”

Não creio que seja possível o homem se desfazer de todos os mitos que cria. Não basta descrer do mito, isso é relativamente fácil. Inclusive, essa coisa de mito possui um duplo sentido que, para o momento, merece atenção máxima. Até porque falo aqui de arrancar a influência do mito na vida. De escapar da... Continuar Lendo →

Morte (Parte 3/7) – Conto “Gigantes”

A morte não é uma questão metafísica. Esse texto não trata de coisas — coisas, que coisas, porra? — metafísicas. Muitos falam que a morte é, sim, um processo além-vida. E falam demais, acho eu, porque não é. A morte tem os dois pés fincados no que nos é físico, na realidade, na presença diária.... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑