Charles Dickens – Tempos difíceis

Por Caio Lima Depois de uma Flip completamente fora das tendências editoriais das grandes máquinas de cuspir livros brasileiras, dois autores em particular chamaram muito a minha atenção pela literatura que praticam, claro, mas não foi só por isso. Marlon James e Paul Beatty expuseram suas contradições sem vergonha de serem felizes. Mais preocupados em... Continue lendo →

Post Destacado

BK’ – Castelos e ruínas

Por Caio Lima Uma das principais, senão a principal, funções da arte é emocionar. E emocionar não é fazer chorar, apenas. Acho que o Guardião das Palavras, que vive no Vale das Palavras, deve chorar toda vez que vê um vocábulo tão bonito ser reduzido a algo tão superficial. E o pior, os considerados literatos,... Continue lendo →

Post Destacado

Abasse Ndione – A vida em espiral

Por Caio Lima Muitos defendem que um livro nunca deve ser analisado politicamente. É uma visão purista da literatura e eu até concordo em partes. Acho interessante se apegar apenas à arte. É bonito. Imaginem ter propriedade, tempo e oportunidade de analisar literatura apenas pelo valor literário. Porém, esse não é o caso do Rede... Continue lendo →

Post Destacado

Raio-X lírico: Marechal

Por Caio Lima Quanto mais se personaliza uma função, mais complexo se torna enxergar suas influências e em como elas atuam dentro do processo criativo. Uma tentativa de análise lírica sobre o Marechal é complicada, são poucas letras e tentar desenvolver em cima do que está escrito é tentar desvendar a pessoa, o que torna... Continue lendo →

Post Destacado

Review lírico: Djonga – Heresia

Por Caio Lima A concepção de um projeto é um mundo à parte. Tentar compreender o disco dentro do que está registrado pelo MC e do que eu sinto, é mergulhar nesse mundo e permitir que as ideias e pensamentos fluam livremente. Por isso não acredito em resenhas que saem após uma semana do lançamento... Continue lendo →

Post Destacado

Ainda bem que não definem – Um tratado sobre lírica

Por Caio Lima Lírica é uma palavra que vive de extremos dentro do rap. Alguns defendem que todo e qualquer MC deve ser lírico, extremamente poético; outros articulam argumentos defendendo a parte melódica, dizendo que lírica não é o principal numa música, que o certo é ter um compromisso muito mais voltado para o ritmo... Continue lendo →

Post Destacado

Roberto Bolaño – 2666

Por Caio Lima Eu estava observando pela vida afora, e não encontrei muitas resenhas sobre o romance psicodélico de Roberto Bolaño, “2666”. E, curiosamente, a que eu mais gostei foi a mais curtinha e chegou por e-mail, me convencendo a ler Bolaño de uma vez por todas. Eu acho que enxergo uma espécie de urgência e verdade... Continue lendo →

Federigo Tozzi – Memórias de um empregado

Por Caio Lima Emprego vem do latim “implicare”, que significa “unir, juntar, enlaçar”. Empregar uma pessoa é envolve-la num interesse comum. O empregado, desta forma, seria uma das engrenagens que move determinado interesse. Engrenagens são elementos de transmissão de potência. Pois bem, se uma engrenagem quebra, a máquina para. Não tem como continuar de forma... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑